BlogAKI

Finaciamento Coletivo

29/06/2012 - 11h00

Como pessoas unidas podem mudar uma realidade

Em uma pequena cidade da Inglaterra, moradores se uniram para estimular a economia local e viver com o máximo de autossuficiência possível.Com a ideia, lançada há quase oito anos, os moradores já descobriram que juntos são capazes de enfrentar crises financeiras e ambientais com menos riscos e mais autonomia.

Já falamos bastante sobre como a união das pessoas podem mudar um país. Já demos exemplos políticos, sociais e até de puro entretenimento. Agora, vamos falar de qual o poder da multidão para preservar o meio ambiente.

Em Totnes, pequena cidade da Inglaterra, os moradores se uniram para fazer do lugar a capital mundial da transição. Vizinhos que antes nem se conheciam agora de reunem para decidir o que vão comer, o que vão vestir e como podem economizar. Funciona mais ou menos como uma administração de uma empresa, ou seja, de um jeito profissional.

Eles fazem as compras do mês juntos, e assim, conseguem um desconto de até 35% no atacado. Além disso, estão sempre juntos quando querem fazer uma reivindicação à prefeitura. As casas possuem placas para captação de energia solar e ainda compartilham eletricidade. Sem contar, é claro, a coleta seletiva do lixo. Em Totnes, já existem pelo menos 36 grupos assim, unindo ruas, condomínios e bairros inteiros.

“O projeto é baseado na integração das pessoas da mesma comunidade e no estímulo à economia local para viver com o máximo de autossuficiência possível. Aqui em Totnes, onde a ideia foi lançada há quase oito anos, os moradores já descobriram que juntos são capazes de enfrentar crises financeiras e ambientais com menos riscos e mais autonomia”

Já no Brasil, a ideia foi adaptada e aplicada à Brasilândia, comunidade de 265 mil habitantes da Zona Norte de São Paulo, onde os moradores tentam conciliar a vida na metrópole à preservação ambiental.

Seu Quitino, por exemplo, começou sozinho um trabalho de replantio de mudas em uma reserva da Mata Atlântica vizinha à comunidade. Seu exemplo agora é seguido por outros moradores, que lutam para despoluir o córrego e transformar a área em parque municipal. Nas ruas, onde o lixo também é um problema, a população se junta em um mutirão e faz a limpeza. Aqui, o lema “cada um faz a sua parte” é levado a sério.

É assim, unindo-se, que esses moradores lutam para realizar um sonho, o de construir um futuro melhor para as próximas gerações. Do contrário, podemos esperar um futuro mais ou menos parecido com aquele demonstrado no último episódio da antiga série A Família Dinossauro: esperar o fim do mundo.

Parte 1:

Parte 2:

Fonte: Globo.com